Banalização da "Banalidade do Mal" de Hannah Arendt

José Francisco Lopes Xarão

Resumo


Este artigo examina o uso recorrente da expressão banalidade do mal para descrever fenômenos muito distintos daqueles que lhe deram origem. Apresenta, sumariamente, o núcleo da controvérsia em torno do livro Eichmann em Jerusalém: um relato sobre a banalidade do mal. Examina a transição de Arendt do conceito de Mal Radical para o termo banalidade do mal e critica a banalização deste termo.


Palavras-chave


Arendt, Mal, Banalidade do mal, Mal Radical.

Texto completo:

PDF

Referências


ARENDT, H. A condição humana. Trad.: Roberto Raposo. 6. ed. rev. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1993.

ARENDT, H. A vida do espírito. Trad.: Antônio Abranches; César Augusto de Almeida e Helena Martins. 3. ed. Rio de janeiro: 1995.

ARENDT, H. Origens do Totalitarismo. 2ª Reimpressão, Trad.: Roberto Raposo. São Paulo: Cia das Letras, 1997.

ARENDT, H. Responsabilidade e julgamento. 2ª reimpressão. São Paulo: Cia das Letras, 2008.

ARENDT, Hannah. Eichmann em Jerusalém: um relato sobre a banalidade do mal. 16ª reimpressão. São Paulo: Cia das Letras, 2013.

ASSY, Bethânia. Eichmann, banalidade do mal e pensamento em Hannah Arendt. In: MORAES, Eduardo J.; BIGNOTTO, Newton (Orgs.). Hannah Arendt: diálogos, reflexões, memórias. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2001. p. 136-165.

BECKENKAMP, Joãosinho. Kant e o problema do mal na Filosofia moral. Dissertatio, 4, Pelotas, 1996, p. 111-133. Disponível em . Acesso em 10 nov. 2015.

BERKOWITZ, Roger. Excerpts from Sassem papers. Bard College: Hannah Arendt Center, 2014. Disponível em: . Acesso em 07 set. 2015.

BERNSTEIN, Richard. Did Hannah Arendt change her mind? From radical evil to the banality of evil. In.: MAY, Larry; KOHN, Jerome (org.). Hannah Arendt: Twenty years later. Cambridge (Massachusetts): MIT Press, 1997, p. 127-146.

BREPOHL, Marion (org.). Eichmann em Jerusalém: 50 anos depois. Curitiba: Ed.UFPR, 2013.

BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos. A banalidade do mal. Folha de São Paulo. Colunistas. 29 de Jul. 2013, Disponível em: . Acesso em 04 de ago. 2015.

BRUCH, J. L: La Philosophie Religieuse de Kant. Paris: Aubier, 1968.

DUARTE, Andre de Macedo. Hannah Arendt: repensar o direito à luz da política democrática radical. Direito e Discurso - discursos do direito. Ed. Ricardo Marcelo Fonseca. Florianópolis: Fundação Boiteux, 2006. 15-44. Disponível em: . Acesso em 16 de ago. de 2015.

FARIAS, Victor. Heidegger e o nazismo. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 1988.

GIACOIA Jr., Oswaldo. Mal Radical e mal banal. O que nos faz pensar, 29, mai. 2011, p. 137-178. Disponível em: . Acesso em 20 de nov. 2015.

GOLDHAGEN, Daniel J. Presentation on Hitler’s Willing Executioners. In.: BERENBAUM, Michael (org.). The “Willing Executioners”/“Ordinary Men” Debate. United States Holocaust Research Institute, 2001. Disponível em: . Acesso em 03 set. 2015.

GOLDHAGEN, Daniel. Hitler’s Willing Executioners: Ordinary Germans and the Holocaust. New York: Vintage Books, 1996.

HEGEL, G. W. F. [1820] Linhas fundamentais da filosofia do direito. E-book Lusosofia.net. Covilhã: Universidade da Beira Interior, 2008. Disponível em: . Acesso em 06 de ago. 2015.

KANT, Immanuel. [1785] Fundamentação da metafísica dos costumes. Trad.: Paulo Quintela. Lisboa: Edições 70, 2007. Disponível em: . Acesso em 12 nov. 2015.

KANT, Immanuel. [1793] A religião nos limites da simples razão. Trad.: Artur Morão. Col. Textos Clássicos de Filosofia. Covilhã: Universidade da Beira Interior, 2008. Disponível em . Acesso em 12 nov. 2015.

KOCH, Thilo. Hannah Arendt, le "Cas Eichmann et les Allemands". Entrevista a Thilo Koch, em 24 de Janeiro de 1964. Disponível em: . Acesso em 05 de ago. 2015.

LAFER, Celso. A reconstrução dos direitos humanos: a contribuição de Hannah Arendt. Estudos avançados [online]. 1997, vol.11, n.30, pp. 55-65. Disponível em: . Acesso em 16 de ago. 2015.

LAFER, Celso. Hannah Arendt: pensamento, persuasão e poder. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2003.

LAFER, Celso. Reflexões sobre a atualidade da análise de Hannah Arendt sobre o processo Eichmann. In.: BREPOHL, Marion (org.). Eichmann em Jerusalém: 50 anos depois. Curitiba: Ed.UFPR, 2013. p. 17-33.

MACÊDO, Murilo Rosa. Vigilância Social e Cultura do Medo: a banalidade do mal no Brasil contemporâneo. Conjuntura Econômica Goiana, dez.2013. Disponível em: . Acesso em 03 de set. 2015.

MINNICH, Elizabeth. The evil of banality: Arendt revisited. Arts and Humanities in Higher Education, Fev./Abr. 2014, vol. 13, n. 1-2, p. 158-179. Disponível em: . Acesso em 03 set. 2015.

RIBEIRO, Renato Janine. Razão e sensibilidade. Caderno Ilustrada. Folha de São Paulo, 18/02/2007. Disponível em: . Acesso em 28/02/2015.

IHU Notícias. Banalidade do mal. Intelectuais discutem artigo de Renato Janine Ribeiro.. Disponível em: . Acesso em 28 ago. 2015.

ROSENBAUM, Ron. Eichmann and the Banality of ‘The Banality of Evil’. Observer.com, 23/08/1999. Disponível em: . Acesso em 31 ago. 2015.

SOUKI, Nádia. Hannah Arendt e a banalidade do mal. Belo Horizonte: UFMG, 1998.

STANGNETH, Bettina. Eichmann Before Jerusalem: The Unexamined Life of a Mass Murderer. Trad.: Ruth Martin. New York: Alfred Knopf, 2014.

TIBURI, Marcia. Nós, o Brasil e a banalidade do mal. Cult, 183, Set./2013. Disponível em: . Acesso em 04 ago. 2015.

VALLE, Lílian do. A excepcionalidade de Hannah Arendt e o pensamento como experiência ordinária. Perspectiva, Florianópolis, v. 29, n. 2, 673-697, jul./dez. 2011.

WIESELTIER, Leon. Final Comments. In.: BERENBAUM, Michael (org.). The “Willing Executioners”/“Ordinary Men” Debate. United States Holocaust Research Institute, 2001. Disponível em: . Acesso em 03 set. 2015.

XARÃO, Francisco. Política e Liberdade em Hannah Arendt. 2ªed., Ijuí: Ed.Unijuí, 2013. (Col. Filosofia, 46).

YOUNG-BRUEHL, Elisabeth. Hannah Arendt: pelo amor ao mundo. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1997.




DOI: https://doi.org/10.26694/2178843X.vl8iss15pp296-314




INDEXADA EM/INDEXED BY:

Logotipo do Sumarios   Logotipo do DOAJ Logotipo do IBICT Logotipo do LatIndex 

Logotipo da ANPOF Logotipo da MIAR

Logotipo do Portal Periodicos Logotipo da Diadorim Logotipo do Philosopher's Index

 



ENDEREÇO/MAIL ADDRESS:

Universidade Federal do Piauí, Programa de Pós-Graduação em Filosofia, Centro de Ciências Humanas e Letras, Campus Min. Petrônio Portela,

CEP 64.049-550,  Teresina - PI, Fone: (86) 3237 1134  E-mail: revista.pensando@gmail.com



 

LINKS:

Logotipo da Capes Logotipo da DialnetLogotipo do CNPq Logotipo da UFPI

 


ISSN 2178-843X