Refinazil como Ingrediente de Rações para Frangos de Corte

Almir Chalegre de Freitas, José de Carvalho Reis, Geraldo Roberto Quintão Lana, Maria de Fátima Freire Fuentes, lvan Barbosa Machado Sampaio, Marcelo Apolinário de Oliveira

Resumo


Este estudo teve como objetivo avaliar o efeito da substituição parcial do milho e do farelo de soja por níveis crescentes de farelo de glúten 21 de milho (FGM), comercialmente denominado de Refinazil (0, 5, 10 e 15%) sobre o desempenho produtivo: ganho de peso médio (GPM), consumo médio de ração (CMR) e conversão alimentar média (CAM) de frangos de corte das linhagens comerciais Hubbard e Ross, bem como estudar a viabilidade econômica desta substituição. Foram utilizados 360 pintos de um dia de idade, sendo metade de cada linhagem (180 Hubbard e 180 Ross), machos e fêmeas, distribuídos em um delineamento inteiramente casualizado, no esquema fatorial 4 x 2 (níveis de refinazil x linhagens), com três repetições por tratamento. Na fase inicial e de crescimento de frangos de corte a análise de regressão mostrou efeito quadrático (Y=571,410+10,447X-0,617X2; r2= 0,87) e linear (Y=964,600+2,32QX; r2= 0,28), respectivamente, dos níveis de Refinazil sobre o GPM. Para a variável CAM observou-se efeito linear na fase inicial e de crescimento (Y=1,799-0,024X+0,001X2; r2=0,68) e (Y=2,032-0,004X; r2=0,30), respectivamente, com o aumento do nível de Refinazil da ração. Entretanto, os resultados aos 42 dias não apresentaram diferenças significativas (P>0,05) entre as médias de nível de Refinazil e de linhagem sobre as variáveis GPM e CAM e nos índices econômicos custo médio de alimentação, renda bruta média e margem bruta média. Assim, é possível incluir até 15% de Refinazil em rações de frangos de corte.

Texto completo: PDF

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .