Health education with hypertensive illiterates: experience report / Educação em saúde com hipertensos analfabetos: relato de experiência / Educación en salud con hipertensos analfabetos: relato de experiencia

Lívia Augusta César da Silva Pereira, Claudete Ferreira de Souza Monteiro, Maria da Conceição de Souza Melo, Isabelly Cristina Honorato de Queiroz

Resumo


Objetivo: relatar a experiência de ação educativa em saúde junto a um grupo de idosos analfabetos com níveis pressóricos variantes. Metodologia: trata-se de estudo descritivo do tipo relato de experiência. A ação educativa foi realizada com 58 idosos não alfabetizados, na Unidade Básica de Saúde “Graciosa” em José de José de Freitas/Piauí/Brasil, no período de junho a dezembro de 2018. Utilizou-se por base o Arco de Charles Maguerez. Resultados: os idosos atuaram ativamente identificando problemas que prejudicam o controle dos níveis pressóricos, como: dificuldade de leitura do medicamento, uso incorreto da medicação, polifarmácia e não adesão ao tratamento. Após diagnóstico situacional, realizou-se palestra educativa sobre hipertensão arterial, autocuidado, alimentação saudável e organização dos medicamentos. Realizou-se também, visitas domiciliares para organização dos medicamentos por nome, cor e solicitado apoio familiar para  administração. Considerações finais: Houve adesão dos idosos e familiares, bem como, notou-se a mudança de comportamento para um tratamento mais eficaz. A atividade permitiu ainda a identificação de pacientes que precisavam de acompanhamento mais especializado. A baixa escolaridade/analfabetismo é condição social limitante para leitura da receita médica, distinção dos medicamentos e sua correta ingestão, exigindo que a equipe elabore estratégias que permeiem o entendimento e adesão do paciente ao seu tratamento.

Descritores: Educação em Saúde; Hipertensão; Estratégia Saúde da Família. 


Texto completo:

PDF

Referências


Who. World Health Organization. A global brief on hypertension: silent killer, global public health crisis. World Health Day 2013. Geneva: World Health Organization; 2013. Disponível em: https://www.who.int/cardiovascular_diseases/publications/global_brief_hypertension/en/ Acesso em: 15 de abril 2019.

Malta DC, et al. Doenças crônicas não transmissíveis e a utilização de serviços de saúde: análise da Pesquisa Nacional de Saúde no Brasil. Rev Saude Publica. 2017; 51 (Supl 1:4s). Disponível em http://www.scielo.br/pdf/rsp/v51s1/pt_0034-8910-rsp-S1518-87872017051000090.pdf. Acesso em 13 Maio 2019.

Schmidt M.I. et al. Doenças crônicas não transmissíveis no Brasil: carga e desafios atuais. Lancet. 2011:377(9781): 1949-62. Disponível em: http://dms.ufpel.edu.br. Acesso em: 03 de maio de 2019.

Araújo GBS, Garcia TR. Adesão ao tratamento anti-hipertensivo: uma análise conceitual. Rev. Eletr. Enf. 2006; 8(2): 259-72. Disponível em: http://www.fen.ufg.br/revista/revista8_2/v8n2a11.htm. Acesso em 12 Maio 2019

Mitre SM. et al. Metodologias ativas de ensino-aprendizagem na formação profissional em saúde: debates atuais. Ciênc. saúde coletiva. 2008; 13 (supl. 2). Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-81232008000900018&script=sci_arttext. >. Acesso em: 13 Maio 2019

Muniz ECS, Goulart FC, Lazarini CA, Marin MJS. Análise do uso de medicamentos por idosos usuários de plano de saúde suplementar. Bras. Geriatr. Gerontol. 2017; 20(3): 375-387. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbgg/v20n3/pt_1809-9823-rbgg-20-03-00374.pdf. Acesso em 14 Maio 2019.

Lobo LAC et al. Tendência temporal da prevalência de hipertensão arterial sistêmica no Brasil. Cad. Saúde Pública. 2017; 33(6): e00035316. Disponível: http://www.scielo.br/pdf/csp/v33n6/1678-4464-csp-33-06-e00035316.pdf. Acesso em: 02 de maio 2019.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Orientações para avaliação de marcadores de consumo alimentar na atenção básica [recurso eletrônico] / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – Brasília: Ministério da Saúde, 2015. 33 p.: il. Disponível em: bvsms. saude.gov.br/bvs/.../marcadores_consumo_alimentar_atencao_basica.pdf. Acesso em: 15 de abril 2019.

Lopes WO, Saupe R, Massaroli A. Visita domiciliar: tecnologia para o cuidado, o ensino e a pesquisa. Cienc Cuid Saude 2008; 7(2): 241-247. Disponível em: http://eduem.uem.br/ojs/index.php/CiencCuidSaude/article/viewFile/5012/3247. Acesso em 14 Maio 2019.

Santos GS, Cunha ICKO. Visita domiciliar a idosos: características e fatores associados. Revista de Enfermagem do Centro-Oeste Mineiro 2017; 7: e1271. Disponível em: http://www.seer.ufsj.edu.br/index.php/recom/article/view/1271. Acesso em 14 Maio 2019.




DOI: https://doi.org/10.26694/2238-7234.8esp77-80

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



 

Indexado em:




Apoio: